*Sejam*Bem-Vindos* A Morada Suprema do Amor a Deus *

Maio 28 2013

As pessoas em geral sempre precisam de um líder que possa ensinar ao público através do exemplo de comportamento prático. Um líder não pode ensinar o público a parar de fumar se ele mesmo fuma. Um mestre deve comportar-se convenientemente antes de começar a ensinar. Quem ensina desta maneira chama-se o mestre ideal. Portanto, o mestre deve seguir os princípios das escrituras para ensinar o homem comum. O mestre não pode fabricar regras que vão contra os princípios das escrituras reveladas. As escrituras reveladas, são consideradas os livros que a sociedade humana deve tomar como padrão. Logo, o ensinamento do líder deve basear-se nos princípios contidos nessas escrituras reveladas.  Quem deseja aperfeiçoar-se deve seguir as regras básicas praticadas pelos grandes mestres. O Bhagavad-Gita também afirma que se devem seguir os passos dos grandes devotos, e esta é a maneira de progredir no caminho da percepção espiritual. O rei ou o chefe executivo de um Estado, o pai e o professor são todos considerados líderes naturais do povo inocente. Todos estes líderes naturais têm uma grande responsabilidade para com seus dependentes; por isso, eles devem ser versados nos livros básicos dos códigos morais e espirituais.
Aquele que conhece a Verdade Absoluta está convicto de que no ambiente material sua posição é incorrecta. Ele sabe que é parte integrante da Suprema Personalidade de Deus, Krishna, e que sua posição não deve estar na criação material. Ele conhece sua verdadeira identidade como parte integrante do Supremo, o qual é bem-aventurança e conhecimento eternos, e entende que, de uma forma ou de outra, está aprisionado na concepção de vida material. Em seu estado de existência pura, ele está destinado a ajustar suas actividades ao serviço devocional à Suprema Personalidade de Deus, Krishna. Ocupa-se, portanto, nas actividades da consciência de Krishna e naturalmente se desapega das actividades dos sentidos materiais, que são todas circunstanciais e temporárias. Ele sabe que sua condição de vida material está sob o controle supremo do Senhor; consequentemente, ele não se deixa perturbar por espécie alguma de reacções materiais, as quais ele considera como sendo misericórdia do Senhor.

publicado por Lalanesha Dasa às 21:53

Maio 22 2013

 

Aqui, talvez alguém conteste que se Krishna é igual com todos e ninguém é Seu amigo favorito, então, por que Ele tem um interesse especial pelos devotos que sempre se ocupam no Seu serviço transcendental? Mas isto não é discriminação; é natural. Qualquer homem neste mundo material pode ser muito dado a fazer caridades, mas ele tem um interesse especial por seus próprios filhos. Mas aos Seus devotos Ele dedica uma atenção especial. Esses devotos são mencionados aqui: eles estão sempre em consciência de Krishna, e por isso estão sempre transcendentalmente situados em Krishna. A própria expressão “consciência de Krishna” sugere que aqueles que estão nessa consciência são transcendentalistas activos, situados nEle. O Senhor diz distintamente que “Eles estão em Mim”. “Quem se rende a Mim, na mesma proporção recebe os Meus cuidados”. 

"Não invejo ninguém, nem tampouco sou parcial com alguém. Sou igual para com todos. Porém, todo aquele que Me presta serviço com devoção é um amigo, e está em Mim, e Eu também sou seu amigo."

 E naturalmente como resultado, o Senhor também está neles. Isto é recíproco. Existe esta reciprocidade transcendental porque tanto o Senhor quanto o devoto são conscientes. Quando um diamante é encravado num anel de ouro, o anel fica muito bonito. O ouro é valorizado, e ao mesmo tempo o diamante é valorizado. O Senhor e a entidade viva brilham eternamente, e ao inclinar-se para o serviço do Senhor Supremo, a entidade viva parece ouro. O Senhor é um diamante, e essa combinação é muito bonita. As entidades vivas num estado puro chamam-se devotos. O Senhor Supremo torna-Se devoto de Seus devotos. Se uma relação recíproca não está presente entre o devoto e o Senhor, então, não há filosofia personalista. Na filosofia impessoal, não há reciprocidade entre o Supremo e a entidade viva, mas na filosofia personalista, sim. 

Dá-se freqüentemente o exemplo de que o Senhor é como uma árvore-dos-desejos, e tudo o que se quer desta árvore Ele fornece. Mas aqui a explicação é mais completa. Aqui se declara que o Senhor é parcial com os devotos. Esta é a manifestação da misericórdia especial do Senhor para com os devotos. Ninguém deve considerar que a reciprocidade do Senhor está sob a lei do karma. Ela pertence à plataforma transcendental em que agem o Senhor e Seus devotos. O serviço devocional ao Senhor não é uma actividade deste mundo material; ele faz parte do mundo espiritual, onde predominam a eternidade, a bem-aventurança e o conhecimento.

Mesmo que alguém cometa ações das mais abomináveis, se estiver ocupado no serviço devocional, deve ser considerado santo, porque está devidamente situado em sua determinação.

O significado disto, é que mesmo que alguém ocupado por completo no serviço devocional do Senhor às vezes cometa actos abomináveis, tal atitude deve ser considerada como as manchas da Lua, que se assemelham à forma de um coelho. Essas manchas não impedem a difusão do luar. Da mesma forma, o fato de um devoto acidentalmente sair do caminho do carácter santo não o torna abominável.

Portanto, quem está em consciência de Krishna e ocupa-se com determinação no processo de cantar Hare Krishna Hare Krishna Krishna Krishna Hare Hare Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare deve ser considerado como estando na posição transcendental, mesmo que ele pareça ter caído por acaso ou acidentalmente. Com isto, adverte-se aos não-devotos, para que não zombem de um devoto por ter tido uma queda acidental; ele ainda deve ser considerado santo, mesmo que tenha acidentalmente caído. Se a pessoa não seguir esta regra e zombar da queda acidental do devoto, então, estará desobedecendo à ordem do Senhor Supremo. A única qualificação do devoto é estar firme e exclusivamente ocupado em serviço devocional.

Por outro lado, não se deve interpretar que um devoto no serviço devocional transcendental pode agir de todas as maneiras abomináveis; este verso refere-se apenas a um acidente devido ao forte poder das ligações materiais. O serviço devocional é mais ou menos uma declaração de guerra contra a energia ilusória. Enquanto não se for bastante forte para combater a energia ilusória, poderá haver quedas acidentais. Mas quando o devoto é forte o suficiente, ele deixa de sujeitar-se a essas quedas, como já se explicou. Ninguém deve se aproveitar deste verso para cometer tolices e achar que continua sendo devoto. Se, com o serviço devocional, ele não melhorar seu carácter, então, deve-se entender que ele não é um devoto elevado.

No entanto Krishna declara ao seu querido e imaculado servo devotado, que ele logo se torna virtuoso e alcança a paz duradoura.   E que se declare ao mundo ousadamente que o Meu devoto jamais perece. E ninguém deve distorcer o significado disto.

publicado por Lalanesha Dasa às 22:10

Maio 20 2013

Não há limite para a extensão das seis opulências da Suprema Personalidade de Deus, aquele que é pleno e que tem plena força, plena fama, riqueza, conhecimento, beleza e renúncia é Krishna a Suprema Personalidade de Deus.

O auge da perfeição espiritual é conhecer a Suprema Personalidade de Deus. Quem não estiver firmemente convencido das diferentes opulências do Senhor Supremo não poderá ocupar-se no serviço devocional. Em geral, as pessoas sabem que Deus é grande, mas não conhecem os detalhes da Sua grandeza. Aqui estão os pormenores. Se alguém sabe de fato como Deus é grande, então ele naturalmente torna-se uma alma rendida e ocupa-se no serviço devocional do Senhor. Quando a pessoa realmente conhece as opulências do Supremo, tudo o que lhe resta é render-se a Ele. Este conhecimento real pode ser conhecido através das descrições contidas no Bhagavad-Gita e em e em textos semelhantes da escritura Védica.

Há muitos antepassados da população do Universo, e todos eles nascem do Supremo Senhor Krishna. A Suprema Personalidade de Deus, Krishna, é o antepassado do qual se originam todos os antepassados.

Estas são algumas das opulências do Senhor Supremo. Quando alguém está firmemente convencido delas, ele aceita Krishna com grande fé e sem nenhuma dúvida e ocupa-se no serviço devocional. Todo este conhecimento específico é necessário para que se sinta um interesse maior pelo serviço devocional amoroso ao Senhor. Ninguém deve perder a oportunidade de compreender na íntegra quão grande Krishna é, pois, conhecendo a grandeza de Krishna, a pessoa será capaz de fixar-se em serviço devocional sincero.



publicado por Lalanesha Dasa às 00:10

Maio 15 2013

 

Krishna a Suprema Personalidade de Deus diz:

Fixe sua mente em Mim, a Suprema Personalidade de Deus, e ocupe toda a sua inteligência em Mim. Assim, não haverá dúvida alguma de que você viverá sempre em Mim.

Alguém que está ocupado no serviço devocional ao Senhor Krishna vive em relação directa com o Senhor Supremo, então, não há dúvida de que sua posição é transcendental desde o início. O devoto não vive no plano material — ele vive em Krishna. O santo nome do Senhor e o Senhor não são diferentes; por isso, quando o devoto canta Hare KrishnaHare Krishna, Krishna Krishna, Hare HareHare RamaHare Rama, Rama Rama, Hare Hare, Krishna e Sua potência interna estão dançando na língua do devoto. Quando ele oferece alimento a Krishna, Krishna aceita directamente esse alimento, e, ao comer os restos, o devoto fica Krishna-izado. Quem não se ocupa nesse serviço não pode compreender como isto funciona, embora este processo seja recomendado no Bhagavad-Gitã e em outros textos védicos.

Bhakti-yoga é a purificação dos sentidos. Actualmente, na existência material, os sentidos estão sempre impuros, pois estão ocupados no gozo dos sentidos. Porém, pela prática da bhakti-yoga, estes sentidos podem purificar-se, e no estado purificado, eles podem entrar em contacto directo com o Senhor Supremo. Nesta existência material, talvez eu me ocupe no serviço a um patrão, mas não o sirva com verdadeiro amor. Eu o sirvo apenas para conseguir algum dinheiro. E tampouco o patrão tem algum amor, ele recebe meu serviço e me paga. Logo, o amor está fora de cogitação. Mas quanto à vida espiritual, o devoto deve elevar-se ao nível de amor puro. Este nível de amor pode ser conseguido através da prática do serviço devocional, executado com os sentidos actuais.

Este amor a Deus agora está latente no coração de todos, onde se manifesta de diferentes maneiras, porém, contaminado pela associação material. Por isso, o coração tem que purificar-se da associação material, e o amor natural por Krishna, que está latente, tem que ser revivido. Este é todo o processo.

Para praticar os princípios reguladores que fazem parte da bhakti-yoga, o devoto deve, sob a orientação de um mestre espiritual experiente, seguir certas regras: ele deve levantar-se de manhã bem cedo, tomar banho, entrar no templo, oferecer orações e cantar Hare Krishna, depois colher flores para oferecer à Deidade, cozinhar alimentos para oferecer à Deidade, comer alimento que foi oferecido primeiramente a Deidade Krishna e assim por diante. Há várias regras e regulações que ele deve seguir. E deve ouvir constantemente o Bhagavad-Gitã e o Shrimad-Bhãgavatam sendo falados por devotos puros. Esta prática pode ajudar qualquer um a elevar-se ao nível de amor a Deus, e assim assegurá-lo de que está progredindo rumo ao reino espiritual de Deus. Esta prática de bhakti-yoga, sob regras e regulações, e com a direcção de um mestre espiritual, certamente o levará ao nível de amor a Deus.

Porem Krishna sendo magnanimamente misericordioso da a seguinte instrução para alguém que se impossibilita seguir tais regras:

Se alguém não pode praticar as regulações que fazem parte da bhakti-yoga, então, deve simplesmente tentar trabalhar para Mim. Porque, trabalhando para Mim, chegará à fase perfeita.

Se, mesmo sob a orientação de um mestre espiritual, alguém não é capaz de praticar os princípios reguladores existentes na bhakti-yoga, ele ainda assim pode ser conduzido a esta fase de perfeição, trabalhando para o Senhor Supremo. A pessoa deve ser favorável à propagação da consciência de Krishna. Há muitos devotos que estão ocupados na propagação da consciência de Krishna, e eles precisam de ajuda. Então, mesmo que alguém não possa praticar directamente os princípios reguladores que fazem parte da bhakti-yoga, ele pode tentar ajudar esse trabalho. Para todo empreendimento precisa-se de terra, capital, organização e trabalho. Assim como nos negócios é preciso um lugar para se estabelecer, algum capital para usar, algum trabalho e alguma organização para se expandir, do mesmo modo, no serviço a Krishna se requer tudo isto. A única diferença é que no materialismo trabalha-se para o gozo dos sentidos. O mesmo trabalho, porém, pode ser executado para a satisfação de Krishna, e esta actividade é espiritual. Se alguém tem dinheiro suficiente, ele pode ajudar a construir um escritório ou um templo para propagar a consciência de Krishna. Ou pode ajudar na publicação de livros e revistas. Há vários campos de actividade, e o praticante deve se interessar por essas actividades. Se ele não pode sacrificar os resultados de seu trabalho, ele mesmo pode, no entanto, sacrificar alguma porcentagem para propagar a consciência de Krishna. Este serviço voluntário em prol da consciência de Krishna o ajudará a elevar-se a um estado mais sublime de amor a Deus, e nesse ponto ele se torna perfeito.


publicado por Lalanesha Dasa às 22:27

Maio 13 2013

Todos os propósitos satisfeitos por um poço pequeno podem imediatamente ser satisfeitos por um grande reservatório de água. De modo semelhante, todos os propósitos dos Vedas podem ser cumpridos por aquele que conhece o seu propósito subjacente.

As entidades vivas são partes integrantes de Krishna; portanto, a etapa em que a entidade viva individual revive a consciência de Krishna é a mais elevada perfeição do conhecimento védico. 

Portanto, deve-se ser bastante inteligente para compreender o propósito dos Vedas, sem se deixar apegar apenas aos rituais, e não se deve desejar a elevação aos reinos celestiais visando uma qualidade melhor de satisfação dos sentidos. Nesta era, não é possível para o homem comum seguir todas as regras e regulações dos rituais védicos, nem lhe é possível estudar exaustivamente os Vedas É preciso muito tempo, energia, conhecimento e recursos para pôr em execução os propósitos dos Vedas. Dificilmente isto é possível nesta era. Todavia, o melhor propósito da cultura védica é alcançado, cantando o santo nome do Senhor.

Isto se declara da seguinte maneira:

“Ó meu Senhor, uma pessoa que esteja cantando Seu santo nome, embora nascida em família inferior, está situada na mais elevada plataforma da auto-realização. Esta pessoa deve ter executado todas as espécies de penitências e sacrifícios segundo os rituais védicos e, tendo tomado seu banho em todos os lugares santos de peregrinação, na certa estudou os textos védicos muitíssimas vezes. Tal pessoa é considerada a melhor da família ariana.”

Aquele que de fato veio a entender sua posição constitucional como servo eterno do Senhor abandona todas as ocupações e passa a agir apenas em consciência de Krishna. 

Aquele que se encontra nesta posição de um servo eterno de Krishna tem o direito de executar seu dever prescrito, mas não tem o direito aos frutos da acção. Jamais se deve considerar a causa dos resultados de suas actividades, e jamais deve-se apeguar ao não-cumprimento do seu dever. 

Tecem-se aqui três considerações: deveres prescritos, trabalho por capricho, e inação. Os deveres prescritos são actividades impostas segundo os modos da natureza material adquiridos pela pessoa. Trabalho por capricho significa ações sem a sanção da autoridade, e inação significa não executar os deveres prescritos. O Senhor aconselhou Arjuna a não ficar inativo, mas a executar seu dever prescrito sem se apegar ao resultado. Alguém que se apega ao resultado do próprio trabalho, é também a causa da acção. Assim, ele desfruta ou sofre o resultado de tais acções.

Quanto aos deveres prescritos, eles podem incluir-se em três subdivisões, a saber, trabalho de rotina, trabalho de emergência e actividades desejadas. Trabalho de rotina executado por obrigação segundo as prescrições das escrituras, sem desejo dos resultados, é acção no modo da bondade. O trabalho visando resultados torna-se a causa do cativeiro; portanto, trabalho assim não é auspicioso. Todos têm direito de propriedade em relação aos deveres prescritos, mas deve-se agir sem apego ao resultado; tais deveres obrigatórios abnegados sem dúvida conduzem a pessoa ao caminho da liberação.

Este serviço devocional é a atitude correcta tomada pela entidade viva. Só quem é mesquinho deseja gozar o fruto de seu próprio trabalho aumentando assim seu enredamento no cativeiro material. Com a exceção do trabalho em consciência de Krishna, todas as actividades são abomináveis porque sempre prendem o autor ao ciclo do nascimento e morte. Assim jamais se deve desejar ser a causa do trabalho. Tudo deve ser feito em consciência de Krishna, para a satisfação de Krishna. Os avarentos não sabem utilizar os bens materiais adquiridos pela boa fortuna ou pelo trabalho árduo. A pessoa deve gastar todas as energias trabalhando em consciência de Krishna, e isto fará sua vida um sucesso. Tal qual os avarentos, as pessoas desafortunadas não aplicam sua energia humana no serviço do Senhor.

Aquele que está ocupado no serviço devocional, livra-se tanto das boas quanto das más ações, mesmo durante esta vida.

Desde tempos imemoriais, cada ser vivo vem acumulando as várias reações de seu trabalho, bom e mau. Isto deixa-o sempre ignorante de sua verdadeira posição constitucional. Ele pode eliminar sua ignorância ao ouvir a instrução do Bhagavad-Gitã, através da qual aprende a render-se ao Senhor Krishna em todos os aspectos e a deixar de ser vítima do cativeiro da acção e reação a que se sujeita nascimento após nascimento.

Ocupando-se no serviço devocional ao Senhor, grandes sábios ou devotos livram-se dos resultados de trabalho no mundo material. Agindo assim, eles ficam livres do ciclo de nascimento e morte, e passam a viver além de todas as misérias (indo de volta ao Supremo).

Devido à ignorância, não se sabe que este mundo material é um lugar miserável onde há perigos a cada passo. Só por ignorância, pessoas menos inteligentes recorrem a actividades fruitivas, tentando ajustar-se à situação, pois acham que as acções resultantes vão fazê-las felizes. Elas não sabem que, dentro do Universo, nenhum tipo de corpo material pode propiciar uma vida sem misérias. As misérias da vida, a saber, nascimento, morte, velhice e doenças, estão presentes em toda parte do mundo material. Mas aquele que compreende sua verdadeira posição constitucional como servo eterno do Senhor, e assim conhece a posição da Personalidade de Deus, ocupa-se no serviço transcendental amoroso ao Senhor. Consequentemente, ele se qualifica a entrar no céu Espiritual onde não há vida material miserável nem a influência do tempo e da morte. Conhecer a própria posição constitucional significa também conhecer a posição sublime do Senhor. Deve-se entender que aquele que pensa que a posição da entidade viva e a posição do Senhor estão no mesmo nível encontra-se na escuridão e é, portanto, incapaz de ocupar-se em serviço devocional ao Senhor. Ele mesmo torna-se um senhor e assim ingressa na estrada de repetidos nascimentos e mortes. Mas aquele que, compreendendo que está na posição de servo passa a executar serviço ao Senhor, imediatamente torna-se candidato a ir ao mundo Espiritual. O serviço em prol do Senhor chama-se, serviço devocional ao Senhor.


publicado por Lalanesha Dasa às 22:36

Este Album abaixo, esta para download gratuitamente é só clicar no ícone ( Lalanesha in Concert Mantras )