*Sejam*Bem-Vindos* A Morada Suprema do Amor a Deus *

Março 31 2014

 

Aqui se afirma claramente que o destino Supremo, do qual não se retorna, é a morada de Krishna, a Pessoa Suprema, onde tudo é pleno em bem-aventurança Espiritual. Toda a variedade por ela manifesta tem a qualidade da bem-aventurança espiritual _ lá, nada é material. Esta variedade apresenta-se como a expansão Espiritual da própria Divindade Suprema, pois lá tudo o que se manifesta tem natureza completamente Espiritual. Quanto a este mundo material, embora o Senhor esteja sempre em Sua morada Suprema, Ele em tudo penetra por meio de Sua energia material. Logo, através de Suas energias material e Espiritual, Ele está presente em toda a parte _ tanto no universo material quanto no Espiritual. Tudo é sustentado dentro dEle, dentro de Sua energia Espiritual ou material. Por meio destas duas energias, o Senhor é onipenetrante.

O conhecimento completo inclui o conhecimento acerca do mundo fenomenal, do espírito que o impulsiona e da fonte de ambos. Este conhecimento é transcendental. Portanto, deve-se ser bastante inteligente para conhecer a fonte de todo o conhecimento, que é a causa de todas as causas e o único objecto de meditação em todas as espécies de prática de yoga. Quando a causa de todas as causas se torna conhecida, então, tudo o que é cognoscível torna-se conhecido, e nada fica incógnito.

Há várias categorias de seres humanos, e entre muitos milhares deles, talvez um esteja interessado o suficiente em realização transcendental para tentar saber o que é o eu, o que é o corpo e o que é a Verdade Absoluta. De um modo geral, a humanidade só se ocupa com as propensões animais, ou seja, comer, dormir, defender-se e acasalar-se, e quase ninguém se interessa pelo conhecimento transcendental. Todavia, Krishna e Sua morada Suprema, só pode ser conhecida por pessoas que estão tem pçena consciência de Krishna. Krishna é a Suprema Personalidade de Deus, a causa de todas as causas, o Senhor primordial. E conhecê-lO torna-se muito difícil para quem mantem sua mente apegada ao conceito material de vida. “Com os sentidos materiais toscos, ninguém pode compreender Krishna como Ele é. Mas Ele Se revela para aqueles, estando satisfeito com o serviço transcendental amoroso que estes Lhe prestam.” 

A ciência de Deus analisa a posição constitucional de Deus e Suas diversas energias. Este mundo material é uma manifestação temporária de uma das energias do Senhor. De um modo geral, quem não conhece a ciência de Deus (Krishna) supõe que este mundo material exista para o prazer de todo o ser vivo. Segundo o Bhagavad-Gita, esta conclusão ateísta é falsa.  Os ingredientes da manifestação material são energias separadas do Senhor.  Portanto, a real Verdade Absoluta é a Suprema Personalidade de Deus, Krishna. Ele é a pessoa energética completa, e Ele possui diferentes energias internas e separadas.

Como Krishna mesmo diz:

Terra, água, fogo, ar, éter, mente, inteligência e falso ego _ juntos, todos estes oito elementos formam Minhas energias materiais separadas. 

Na energia material, as manifestações principais são oito, como foi mencionado acima. Destas, as primeiras cinco manifestações, a saber, terra, água, fogo, ar e céu, chamam-se as cinco criações gigantescas ou as criações grosseiras, dentro das quais se incluem os cinco objectos dos sentidos. Eles são as manifestações físicas do som, tato, forma, paladar e olfato. A ciência material compreende estes dez itens e nada mais. Mas os outros três itens, a saber, mente, inteligência e falso ego, são negligenciados pelos materialistas. Os filósofos que lidam com atividades mentais também não têm conhecimento perfeito porque não sabem que Krishna é a fonte última. O falso ego _ “Eu sou” e “Isto é meu”, que constituem o princípio básico da existência material _ inclui dez órgãos dos sentidos próprios para as actividades materiais. A inteligência refere-se à totalidade da criação material. Portanto, das oito energias separadas do Senhor manifestam-se os vinte e quatro elementos do mundo material.

Existe uma outra energia superior, que consiste dos seres vivos que exploram os recursos desta natureza material inferior. 

Menciona-se com isto claramente que as entidades vivas pertencem à natureza (ou energia) superior do Senhor Supremo. A energia inferior é a matéria manifestada sob diferentes elementos, a saber, terra, água, fogo, ar, éter, mente, inteligência e falso ego. As duas formas de natureza material, ou seja, a grosseira (terra, etc.) e a sutil (mente, etc.), são produtos da energia inferior. Os seres vivos que, com diferentes propósitos estão explorando essas energias inferiores, são a energia superior do Senhor Supremo, e é devido a esta energia que o mundo material inteiro funciona. A manifestação cósmica não tem poder de agir caso não seja accionada pela energia superior, a entidade viva. As energias são sempre controladas pelo energético, e por isso as entidades vivas são sempre controladas pelo Senhor _ elas não têm existência independente. Diferentemente do que pensam os homens sem inteligência, elas nunca O igualarão em poder.

Em uma oração, faz-se a seguinte distinção entre as entidades vivas e o Senhor:

“Ó Supremo Eterno! Se as entidades vivas encarnadas fossem eternas e onipenetrantes como Você, então, elas não estariam sob Seu controle. Mas se são aceitas como energias diminutas de Vossa Onipotência, as entidades vivas então, imediatamente se sujeitam ao Seu controle supremo. Portanto, os seres vivos alcançam a verdadeira liberação, quando se colocam sob o Seu controle, e com esta rendição elas serão felizes. Somente nesta posição constitucional é que elas podem ser controladoras. Por conseguinte, os homens de conhecimento limitado que advogam a teoria monística segundo a qual Deus e as entidades vivas são iguais em todos os aspectos são realmente guiados por uma opinião defeituosa e contaminada.”

O Supremo Senhor Krishna é o único controlador, e todas as entidades vivas são controladas por Ele. Os seres vivos são Sua energia superior porque, em qualidade, a existência delas é igual à do Supremo, mas elas nunca têm tanto poder quanto o Senhor. Enquanto explora a energia inferior grosseira e sutil (matéria), a energia superior (a entidade viva) esquece-se de sua mente e inteligência Espirituais verdadeiras. Este esquecimento deve-se à influência que a matéria exerce sobre o ser vivo. Mas ao se livrar da influência da energia material ilusória, ele atinge a fase da liberação. O falso ego, sob a influência da ilusão material, pensa: “Eu sou matéria, e as aquisições materiais são minhas”. Ele conquista sua verdadeira posição quando se libera de todas as idéias materiais, inclusive do conceito segundo o qual ele é uno com Deus em todos os aspectos. Portanto, pode-se concluir que o Bhagavad-Gita confirma que o ser vivo é somente uma das múltiplas energias de Krishna, e ao libertar-se da contaminação material, esta energia torna-se plenamente consciente de Krishna, ou liberada.

 

publicado por Lalanesha Dasa às 10:35

Março 28 2014

O Senhor ensina que temos que nos tornar plenamente conscientes do propósito de Krishna para executarmos deveres, como se fosse uma disciplina militar. Este preceito pode tornar as coisas um pouco difíceis, porém, devemos cumprir nossas obrigações sempre dependentes de Krishna, porque esta é a posição constitucional da entidade viva. Sem a cooperação do Senhor Supremo, não se pode ser feliz, porque a posição constitucional eterna da entidade viva é ser subordinada aos desejos do Senhor. Devemos sacrificar tudo para o bem estar do Senhor Supremo, e ao mesmo tempo cumprir nossos deveres prescritos sem alegarmos posse de nada.  O Senhor Supremo é a alma de todas as almas; portanto, quem não leva em conta os seus interesses pessoais e depende única e exclusivamente da Alma Suprema, ou em outras palavras, quem é plenamente consciente do propósito de Krishna, deve agir sob a ordem do amo, mas não se devem esperar resultados fruitivos. Embora conte milhões de dólares para seu patrão, o caixa não exige para si um centavo sequer. Da mesma forma, deve-se procurar entender que nada no mundo pertence a alguém em particular, pois tudo pertence ao Senhor Supremo. E quando agimos com essa consciência de Krishna, decerto não reivindicamos a posse de nada. E se houver alguma relutância em cumprir essa ordem rígida que não considera os assim chamados laços de parentescos corpóreos, tal relutância deve ser eliminada e assim podemos nos tornar sem mentalidade febril. Todos têm, conforme sua qualidade e posição, uma determinada espécie de trabalho a executar, e todos esses deveres podem ser efectuados em consciência de Krishna. 

Prestando adoração ao Senhor, que é a fonte de todos os seres e que é onipenetrante, o homem pode atingir a perfeição através da execução de seu próprio trabalho. 

A prosperidade do mundo não depende de nossos próprios esforços, mas do arranjo básico do Senhor Supremo.

publicado por Lalanesha Dasa às 18:13

Março 27 2014

É bom que se saiba que todos os planetas flutuam no ar devido à energia do Senhor. O Senhor entra em cada átomo, em cada planeta e em cada ser vivo. Discute-se isto nos textos Védicos, onde se diz que uma porção plenária da Suprema Personalidade de Deus, entra nos planetas, no Universo, na entidade viva e inclusive no átomo. Então, devido a esse ingresso, tudo se manifesta apropriadamente. Quando a alma Espiritual está presente, um homem vivo pode flutuar na água, mas quando a centelha viva sai do corpo, o corpo morto afunda. É claro que, ao se decompor, ele flutua tal como a palha e outras coisas, mas logo que morre, o corpo afunda na água. Igualmente, todos esses planetas estão flutuando no espaço, e isto se deve ao ingresso da Suprema energia da Suprema Personalidade de Deus. Sua energia está sustentando cada planeta, como se sustenta um punhado de pó. Se alguém segura um punhado de pó, não há possibilidade de o pó cair, mas se o jogar no ar, ele cairá. Do mesmo modo, esses planetas, que flutuam no ar, são na verdade segurados pela mão da forma universal do Senhor Supremo. Sob a acção de Sua força e energia, todas as coisas móveis e imóveis ficam em seus devidos lugares. Nos hinos védicos está dito que é por causa da Suprema Personalidade de Deus que o Sol brilha e os planetas se movem constantemente. Sem a participação dEle, todos os planetas se dispersariam, como poeira no ar, e pereceriam. Igualmente, é devido à Suprema Personalidade de Deus que a Lua nutre todos os vegetais. Devido à influência da Lua, estes vegetais se tornam deliciosos. Sem o luar, eles não podem crescer nem se tornar suculentos. A sociedade humana trabalha, vivendo confortavelmente e desfrutando o alimento fornecido pelo Senhor Supremo. Caso contrário, a humanidade não poderia sobreviver. Tudo se torna saboroso porque o Senhor Supremo põe em ação a influência da Lua.

A Superalma, a Suprema Personalidade de Deus, é a fonte de luz em todos os objectos luminosos, tais como o Sol, a Lua e as estrelas.  

Ele é a fonte de luz em todos os objectos luminosos. Ele está além da escuridão própria da matéria e é imanifesto. Ele é o conhecimento, o objecto do conhecimento e a meta do conhecimento. Ele está situado nos corações de todos.
Ele está situado nos corações de todos como o controlador Supremo. As pernas e mãos do Supremo estão distribuídas por toda a parte, mas a alma individual não possui esta característica. Por isso, deve-se admitir que existem dois conhecedores do campo de actividade _ a alma individual e a Superalma. As mãos e pernas de determinada pessoa se distribuem localmente, mas as mãos e pernas de Krishna se distribuem por toda a parte.  Esta Suprema Personalidade de Deus, a Superalma, é o Senhor, de todas as entidades vivas; por isso, Ele é o refúgio último de todas as entidades vivas. Logo, não há como negar o fato de que a Superalma Suprema e a alma individual são sempre diferentes.
publicado por Lalanesha Dasa às 20:46

Março 26 2014


Aqui três considerações são compostas: deveres prescritos, trabalho por capricho, e inacção. Os deveres prescritos são actividades impostas segundo os modos da natureza material adquiridos pela pessoa. Trabalho por capricho significa acções sem a sanção da autoridade, e inacção significa não executar os deveres prescritos. O Senhor aconselha que não deve ficar inactivo, mas a executar o dever prescrito sem se apegar ao resultado. Alguém que se apega ao resultado do próprio trabalho, é também a causa da acção. Assim, ele desfruta ou sofre o resultado de tais acções.

Quanto aos deveres prescritos, eles podem incluir-se em três subdivisões, a saber, trabalho de rotina, trabalho de emergência e actividades desejadas. Trabalho de rotina executado por obrigação segundo as prescrições das escrituras, sem desejo dos resultados, é acção no modo da bondade. O trabalho visando resultados torna-se a causa do cativeiro; portanto, trabalho assim não é auspicioso. Todos têm direito de propriedade em relação aos deveres prescritos, mas deve-se agir sem apego ao resultado; tais deveres obrigatórios abnegados sem dúvida conduzem a pessoa ao caminho da liberação.

Portanto, o Senhor aconselhou que devemos lutar pela razão da vida por mero dever, sem apego ao resultado. A não-participação na nessa luta é outro aspecto de apego. Esse apego nunca leva alguém ao caminho da salvação. Qualquer apego, positivo ou negativo, é causa de cativeiro. A inacção é pecaminosa. Por conseguinte, lutar como uma questão de dever era o único caminho auspicioso que propicia a salvação.

E desempenhando o dever com equilíbrio, abandonando todo o apego a sucesso ou fracasso. Tal equanimidade chama-se yoga.

Krishna diz que deve-se agir em yoga. E o que vem a ser yoga? Yoga significa concentrar a mente no Supremo, e controlar os sempre perturbadores sentidos. E quem é o Supremo? O Supremo é o Senhor. E porque Ele mesmo está dizendo que se lute pela razão da vida, nada tem a ver com os resultados da luta em vão. Ganho ou vitória são da alçada de Krishna; simplesmente somos aconselhados a agir segundo a ordem de Krishna. Seguir a ordem de Krishna é a verdadeira yoga, e pratica-se isto no processo chamado consciência de Krishna. É somente por meio da consciência de Krishna que se pode abandonar o sentimento de propriedade. A pessoa deve tornar-se servo de Krishna, ou servo do servo de Krishna, pela qual a razão da servidão torna-se plausível. Esta é a maneira correcta de cumprir o dever em consciência de Krishna, a única coisa que pode ajudar uma pessoa que em busca do Absoluto a agir em yoga.

publicado por Lalanesha Dasa às 22:42

Março 22 2014

 

Aqui se explica o caminho referente ao buddhi-yoga. Buddhi-yoga em si é acção em consciência de Krishna; esta é a inteligência mais elevada. Buddhi significa inteligência, e yoga, atividades místicas ou elevação mística. Quando alguém tenta retornar ao lar, retornar ao Supremo, e adota plena consciência de Krishna em serviço devocional, sua ação chama-se buddhi-yoga. Em outras palavras, buddhi-yoga é o processo pelo qual se escapa do enredamento deste mundo material. A meta última do progresso é Krishna. As pessoas não sabem disto; por isso, associar-se com devotos e aceitar um mestre Espiritual genuíno é tão importante. Deve-se saber que a meta é Krishna, e quando a meta é especificada, então, atravessa-se o caminho lento mas progressivamente, e a meta última é atingida.

Quem conhece a meta da vida humana mas está afeiçoado aos frutos das atividades, está agindo em karma-yoga. Quando sabe que a meta é Krishna mas sente prazer em entregar-se a especulações mentais para tentar compreendê-lO, ele está agindo em jnãna-yoga. E quando conhece a meta e busca Krishna em consciência de Kṛṣṇa e serviço devocional plenos, está agindo em bhakti-yoga, ou buddhi-yoga, que é a yoga completa. Esta yoga completa é a fase mais elevada da perfeição da vida.

A pessoa que se tornou um devoto de Krishna pode até ter um mestre Espiritual genuíno e pode até estar comprometido com uma organização Espiritual, mas se não for inteligente o bastante para progredir na linha Espiritual dessa organização, Krishna então, lhe dara instruções internas para que não sinta dificuldade alguma em acabar retornando a Ele. O requisito é que o devoto sempre se ocupe em consciência de Krishna e, com amor e devoção, preste todas as espécies de serviços amorosos a Ele. Ele deve executar algum tipo de trabalho para Krishna, e este trabalho deve ser feito com amor. Se ele não é bastante inteligente para progredir no caminho da auto-realização, mas é sincero e devotado às actividades do serviço devocional prestado a Ele, o Senhor lhe dá uma oportunidade de progredir e enfim alcançá-lO. Estes são os requisitos necessários para uma pessoa que se tornou um servo imaculado do Senhor.

Como Krishna mesmo afirma dizendo:

Àqueles que estão constantemente devotados a Me servir com amor, Eu dou a compreensão pela qual eles podem vir a Mim.

publicado por Lalanesha Dasa às 17:20

Este Album abaixo, esta para download gratuitamente é só clicar no ícone ( Lalanesha in Concert Mantras )