*Sejam*Bem-Vindos* A Morada Suprema do Amor a Deus *

Março 25 2016

image.jpeg

Krishna a Suprema Personalidade de Deus enfatiza dizendo no Bhagavad-Gītā capitulo 2, verso 21:

 Como pode uma pessoa que sabe que a alma é indestrutível, eterna, não nascida e imutável matar alguém ou fazer com que alguém mate.

Porque tudo tem sua devida utilidade, e um homem que está situado em conhecimento completo sabe como e onde utilizar algo devidamente. Do mesmo modo, a violência também tem sua utilidade, e a maneira correta de usá-la cabe à pessoa em conhecimento. Embora o juiz dê a pena capital a uma pessoa condenada por homicídio, ele não pode ser censurado, porque é de acordo com os códigos de justiça que ele decreta violência contra esta pessoa. No Manu-Samhitā, o livro de leis da humanidade, sustenta-se que um assassino deve ser condenado à morte para que em sua próxima vida não precise pagar com sofrimento o grande pecado que cometeu. Portanto, o fato de o rei condenar um assassino à forca é na verdade benéfico. De modo semelhante, quando Krishna dá a ordem para lutar, deve-se concluir que a violência é em prol da justiça Suprema, e por isso deve-se seguir essa instrução, sabendo muito bem que tal violência, cometida enquanto se luta pela causa de Krishna ou de Seu propósito, não é absolutamente violência porque, de qualquer maneira, o homem, ou melhor, a alma, não pode ser morta; assim, para a administração da justiça, permite-se a assim chamada violência. Uma operação cirúrgica não se destina a matar o paciente, mas a curá-lo. Portanto, Deve-se empreender sob a instrução de Krishna uma luta em pleno conhecimento, e por isso não há possibilidade de reação pecaminosa.

O fato de alguém ter uma compreensão apropriada da relação existente entre sua posição constitucional e Krishna é tão vantajoso que ele imediatamente pode ser retirado da luta pela existência que se desenrola no oceano da ignorância. Às vezes, este mundo material é considerado como um oceano de ignorância, e outras, como uma floresta em chamas. No oceano, mesmo que se saiba nadar muito bem, a luta pela existência é muito severa. Se alguém aparece e retira do oceano o nadador que se debate, ele é o maior dos salvadores. O conhecimento perfeito, recebido da Suprema Personalidade de Deus, é o caminho da liberação. O barco da consciência de Krishna é muito simples e ao mesmo tempo é o mais sublime.

Como Krishna mesmo enfatiza dizendo:

Mesmo que uma pessoa seja considerada a mais pecaminosa de todos os pecadores, quando estiver situada no barco do conhecimento transcendental será capaz de cruzar o oceano de misérias. Assim como o fogo ardente transforma a lenha em cinzas, do mesmo modo, o fogo do conhecimento reduz a cinzas todas as reações às atividades materiais. Neste mundo, não há nada tão sublime e puro como o conhecimento transcendental. Este conhecimento é o fruto maduro de todo o misticismo. E aquele que se familiarizou com a prática do serviço devocional desfruta deste conhecimento dentro de si no devido tempo.

Quando se fala de conhecimento transcendental, toma-se como ponto de referência a compreensão Espiritual. Sendo assim, não há nada tão sublime e puro como o conhecimento transcendental. A ignorância é a causa do cativeiro, e o conhecimento é a causa da liberação. Este conhecimento é o fruto maduro do serviço devocional, e quando está em conhecimento transcendental, a pessoa não precisa procurar paz em outro lugar, pois goza de paz dentro de si mesma. Em outras palavras, este conhecimento e esta paz culminam na consciência de Krishna. Esta é a palavra final do Bhagavad-Gītā.

Portanto quando falsos impostores que se recusam a trabalhar em consciência de Krishna, porém fazem um show de meditação, enquanto a mente deles de fato não se afasta da satisfação dos sentidos. Tais impostores também podem falar de filosofia árida para enganar seguidores sofisticados e fazerem com que alguém se esqueça de Krishna. A mente desses farsantes impostores é impura, e portanto a exibição de meditação ióguica que esses impostores tentam mostrar não tem valor algum. Tal impostor que tenta se passar por um yogī, enquanto de fato busca os objetos de prazer dos sentidos, deve ser chamado o maior dos enganadores, embora às vezes fale de filosofia. Seu conhecimento não tem valor, porque os efeitos do conhecimento de tal homem pecaminoso são removidos pela energia ilusória do Senhor. Tais impostores não sabem que esquecer-se de sua posição constitucional como subordinados ao Senhor Supremo é a maior violação da lei de Deus. 

jiklfh.jpg

publicado por Lalanesha Dasa às 14:11

Intercâmbios
Este Album abaixo, esta para download gratuitamente é só clicar no ícone ( Lalanesha in Concert Mantras )